Notícias

Insônia afeta 7 a cada 10 brasileiros e uso prolongado de remédios para dormir gera alerta

Pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostra que mais de 11 milhões de brasileiros tomam alguma substância para pegar no sono

Insônia afeta 7 a cada 10 brasileiros e uso prolongado de remédios para dormir gera alerta
Foto: Imagem ilustrativa

Mais de 11 milhões de pessoas usa algum tipo de medicamento para conseguir pegar no sono, no Brasil, é o que aponta uma pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

De acordo com os especialistas, o brasileiro está dormindo cada vez menos e o uso prolongado de medicamentos para insônia pode trazer mais riscos que benefícios.

Um estudo da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) mostrou que, atualmente, 72% dos brasileiros sofrem com problemas para dormir, a famosa insônia.

Entre as consequências das noites mal dormidas estão:

- Cansaço;
- Irritabilidade;
- Falta de concentração na manhã seguinte;
- Risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares, diabetes, obesidade;
- Predisposição a distúrbios psiquiátricos como depressão e ansiedade.

Milca Abda de Morais é biomédica e especialista em sono, e alerta para os perigos associados ao uso indiscriminado e prolongado de medicamentos para insônia.

“Esses medicamentos geralmente agem no Sistema Nervoso Central. Com o tempo, eles podem gerar não só uma dependência química, como também psíquica. A pessoa pode também desenvolver tolerância, situação em que ela precisa de doses cada vez mais altas do medicamento para obter o mesmo efeito”, explica.

Em geral, as substâncias são prescritas pelos médicos para uso em períodos mais curtos e associadas à terapias não-medicamentosas, como: psicoterapia, higiene do sono e atividades físicas.

Os remédios são mais indicados para pacientes que sofrem com quadros crônicos de insônia, por isso não podem ser consumidos por qualquer pessoa e sem o acompanhamento de um especialista.

“Não adianta a pessoa fazer o uso de medicamentos para insônia se ela não faz a higiene do sono. É importante que pessoas que apresentam dificuldade para dormir considerem também outras alternativas, como terapia e exercícios físicos”, defende Milca.

Além disso, as substâncias também podem gerar uma série de efeitos colaterais adversos como sonolência excessiva durante o dia, tonturas, problemas de memória e concentração, e até mesmo alterações de comportamento durante o sono, como sonambulismo.

ND+

----------------------
Receba GRATUITAMENTE nossas NOTÍCIAS! CLIQUE AQUI
----------------------

Envie sua sugestão de conteúdo para a redação:
Whatsapp Business PORTAL SMO NOTÍCIAS (49) 9.9979-0446 / (49) 3621-4806

Cotações

Dólar Americano/Real Brasileiro

R$ 5,17

Dólar Americano/Real Brasileiro Turismo

R$ 5,35

Dólar Canadense/Real Brasileiro

R$ 3,78

Libra Esterlina/Real Brasileiro

R$ 6,58

Peso Argentino/Real Brasileiro

R$ 0,01

Bitcoin/Real Brasileiro

R$ 356.271,00

Litecoin/Real Brasileiro

R$ 440,52

Euro/Real Brasileiro

R$ 5,61

Clima

Sexta
Máxima 18º - Mínima 9º
Céu nublado com chuva fraca

Sábado
Máxima 11º - Mínima 6º
Céu nublado

Domingo
Máxima 18º - Mínima 4º
Céu nublado com chuva fraca

Segunda
Máxima 16º - Mínima 10º
Céu nublado com chuva moderada

Terça
Máxima 12º - Mínima 5º
Períodos nublados

Sobre os cookies: usamos cookies para personalizar anúncios e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.